El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

eucaliptoO Estado e o eucalipto

Apesar do seu conteúdo ser tecnicamente risível, este livro tem gozado de grande favor mediático, ao ponto de eu escrever este artigo.
Foi recentemente publicado o livro Como resgatar as florestas – Portugal em chamas, de João Camargo e Paulo Pimenta de Castro.
PUB

O livro é tecnicamente muito mau e exemplifico, citando-o: “As florestas de carvalho dominavam o país, de forma geral com carvalho-roble, carvalho-negral e carvalho-cerquinho (com algum pinheiro) a Norte do Tejo e sobreiro, azinheiras e pinheiros-mansos a Sul.”

 

A visão do sobreiro como árvore do Sul é tão evidentemente errada que é estranho que ainda haja quem a use num livro que pretende discutir a gestão florestal do país.

Sugiro uma visita à Carta da Vegetação Potencial Natural (Capelo et al., Phytocoenologia, 37, 399-415, 2007), ou uma leitura de Biogeografia de Portugal Continental, de José Carlos Costa, Carlos Aguiar, Jorge Henrique Capelo, Mário Lousã e Carlos Neto.

O próprio Jorge Capelo foi bastante claro a responder à minha perplexidade: "em Trás-os-Montes, a árvore potencialmente dominante na maioria do território é o sobreiro. Todos os carvalhais das bacias do Mondego, Zêzere, Tejo e Douro e ainda os do Minho, Beira Litoral, Douro Litoral (excepto as maiores altitudes) são bosques mistos com sobreiro."

Infelizmente não é um lapso, é o padrão de qualidade técnica do livro, uma boa demonstração do elevado atrevimento a que chega a ignorância.

Apesar do seu conteúdo ser tecnicamente risível, este livro tem gozado de grande favor mediático, ao ponto de eu escrever este artigo.

O livro tem uma tese: o eucalipto ocupa uma área crescente do território português porque as empresas de celulose capturaram o Estado, favorecendo a expansão do eucalipto em Portugal.

Esta tese sustenta a ideia da porta giratória entre as empresas de celulose e o Estado, o que justifica a aceitação moral da pura difamação com que se entretêm os autores do livro a respeito de várias pessoas, sendo especialmente chocante o ataque soez que é feito a Tiago Oliveira, um simples empregado de uma empresa de celulose cuja carreira profissional é esmagadoramente apreciada pelos seus pares como sendo exemplar na dedicação à causa pública.

Se estas empresas capturassem o Estado para tomar decisões a favor do eucalipto, a regulamentação da produção de eucalipto seria favorável à espécie, o que está longe de ser verdade.

Se estas empresas capturassem o Estado, os sistemas de incentivo para a produção florestal seriam, com certeza, favoráveis à produção de eucalipto. Não existem incentivos a novas plantações com eucalipto e os incentivos que existem para a replantação são substancialmente menores que os que existem para as outras espécies.

A explicação para a expansão do eucalipto é simples: a fachada NO da Península Ibérica tem condições especialmente favoráveis à produção de eucalipto e, tão relevante como a primeira, o eucalipto tem um modelo de produção que é bastante mais adaptado ao regime de fogo que temos, isto é, permite cortes numa periodicidade em torno dos 12 anos (para menos) e o ciclo de fogo que temos anda pelos 12 a 15 anos.

Acresce que um eucalipto ardido volta a rebentar, sem necessidade de investimento em plantações, para além de ter uma grande regeneração por semente, uma situação que é semelhante à dos carvalhos. É uma situação bem diferente do principal concorrente comercial do eucalipto, o pinheiro, esse sim, fortemente prejudicado pelo padrão de fogo que temos.

Ou seja, o eucalipto expande-se pela combinação da sua competitividade económica face às alternativas de uso do solo potenciais, a principal das quais é, actualmente, o abandono, e das suas características naturais.
PUB

Expande-se apesar do Estado e não por causa do Estado, o que explica por que razão as alterações da legislação e dos incentivos estatais ao longo das últimas décadas não têm grande reflexo na expansão do eucalipto.

Há quem defenda que o Estado deveria ser ainda mais restritivo nas suas políticas florestais para impedir a expansão do eucalipto e essa é uma posição perfeitamente legítima, de maneira geral muito mal fundamentada, mas legítima.

Pessoalmente, acho que é útil haver mais diversidade nas áreas em que o eucalipto é esmagadoramente dominante, Albergaria-a-Velha, Águeda, Mortágua, por exemplo, e trabalho voluntariamente numa associação de conservação da natureza que compra e gere propriedades com o objectivo de reequilibrar as coisas para o lado da diversidade.

A sociedade, tendo o bode expiatório do eucalipto e dos grandes interesses económicos associados, só dificilmente se mobiliza para disponibilizar os recursos necessários para resolver a falha de mercado que tem permitido a expansão, em algumas áreas claramente excessiva, do eucalipto.

Pôr a tónica na espécie, em vez de a pôr no verdadeiro problema, isto é, na ausência de gestão, é andarmo-nos a enganar sobre a melhor forma de resgatar o mundo rural da armadilha de fogo em que está metido.

As teorias de conspiração que envolvem os malefícios dos grandes potentados económicos são um clássico de sempre na história do mundo: já Filipe o Belo queimou Jacques de Molay, grão-mestre dos Templários, na Idade Média, à conta de umas teorias de conspiração semelhantes.

Este livro é apenas mais um panfleto na mesma linha conspirativa, razoavelmente útil para caracterizar quem o escreve, mas inútil como contribuição para uma gestão sensata e socialmente útil do mundo rural.

P2 - PORTUGAL - 04 julio 2018