El contenido de esta página requiere una versión más reciente de Adobe Flash Player.

Obtener Adobe Flash Player

fibria OGLOBOFábrica de celulose da Fibria em Três Lagoas realiza a primeira queima de combustível na caldeira de recuperação

Gerando energia suficiente para abastecer toda a sua operação, o excedente energético da companhia é disponibilizado para o sistema elétrico brasileiro
A Fibria, empresa brasileira líder mundial na produção de celulose de eucalipto a partir de florestas plantadas, entrou em uma das fases mais importantes do cronograma da construção da sua segunda linha em Três Lagoas (MS), com a finalização das montagens e a execução dos testes dos equipamentos. No último dia 6 de julho, foi executada com sucesso a primeira queima de combustível auxiliar na caldeira de recuperação. Após essa etapa, que promove o aquecimento da caldeira, é realizada a lavagem química para a limpeza das tubulações.

A caldeira de recuperação é parte essencial de uma fábrica de celulose. Sua função é recuperar químicos utilizados no processo de produção e gerar vapor, que é transformado em eletricidade. Sinônimo de competividade e de autossuficiência no setor florestal, energia significa receita para a Fibria. Além de gerar energia suficiente para abastecer toda a sua operação, o excedente energético da companhia é disponibilizado para o sistema elétrico brasileiro.

A caldeira da segunda linha de produção da Fibria em Três Lagoas é uma das mais modernas do mundo, conferindo eficiência e produtividade no processo de produção de celulose. “O êxito na primeira queima de combustível e as fases seguintes garantirão a qualidade da implantação da caldeira de recuperação e, consequentemente, uma performance de excelência em sua operação. Por isso, a Fibria lidera a produção de celulose no mundo com seus diferenciais competitivos, que se iniciam na especificação dos equipamentos mais modernos no mercado e incluem as melhores práticas de construção, montagem e operação”, afirma o diretor de engenharia e projetos da Fibria, Júlio Cunha.

Durante a limpeza química, o calor gerado pela queima de combustível auxiliar é responsável por promover a reação entre os compostos químicos para remoção de resíduos de montagem, como graxas, vestígios de solda, entre outros, que devem ser retirados antes do equipamento produzir vapor continuamente.

A geração contínua de vapor permitirá os últimos testes das demais áreas de produção para o início das operações da segunda linha de produção de celulose da Fibria em Três Lagoas (MS), previsto para setembro deste ano.

Sobre a Fibria
Líder mundial na produção de celulose de eucalipto, a Fibria é uma empresa que procura atender, de forma sustentável, à crescente demanda global por produtos oriundos da floresta plantada. Com capacidade produtiva de 5,3 milhões de toneladas anuais de celulose, a companhia conta com unidades industriais localizadas em Aracruz (ES), Jacareí (SP) e Três Lagoas (MS), além de Eunápolis (BA), onde mantém a Veracel em joint-operation com a Stora Enso. A companhia possui 1,056 milhão de hectares de florestas, sendo 633 mil hectares de florestas plantadas, 364 mil hectares de áreas de preservação e de conservação ambiental e 59 mil hectares destinados a outros usos. A celulose produzida pela Fibria é exportada para mais de 40 países. Em maio de 2015, a Fibria anunciou a expansão da unidade de Três Lagoas, que terá uma nova linha com capacidade produtiva de 1,95 milhão de toneladas de celulose por ano, e entra em operação no terceiro trimestre de 2017. Saiba mais em  http://www.fibria.com.br/

ACRITICA - BRASIL - 07 julio 2017ACRITICA   -  BRASIL -  07 julio 2017